YouTube Gaming pode gerar problemas de direitos autorais aos criadores de conteúdo

O YouTube Gaming, um YouTube dedicado exclusivamente para canais de jogos, foi lançado em versão web e app dedicado nesta quarta-feira (26). O novo serviço do Google quer encarar de frente o Twitch, principal canal de transmissão ao vivo de jogos da atualidade, comprado pela Amazon no ano passado por US$ 970 milhões.

O novo serviço não é muito diferente do que já é visto no YouTube normal, com a exceção de uma remodelação no layout da página e conteúdo: apenas vídeos e streams de jogos estão disponíveis ali e os produtores de conteúdo do local ganharam uma repaginação em seus próprios canais. A ferramenta de busca também privilegia os jogos em vez de outros conteúdos. Por exemplo, ao buscar por “metal”, enquanto o YouTube padrão retorna com “metallica”, o YouTube Gaming busca pelos jogos da série Metal Gear:

fotogaming

Ao procurar um jogo, uma página dedicada a ele é mostrada, com todos os canais e vídeos com conteúdo sobre ele, um breve resumo sobre o título, transmissões ao vivo, resenhas e a página da produtora, como a Konami, no caso da página de MGS V abaixo:

Captura de Tela 2015-08-27 às 09.38.11

Direitos autorais

Um ponto negativo ao YouTube Gaming em relação ao Twitch é o Content ID da plataforma de vídeos do Google — a ferramenta que busca por qualquer vestígio de direito autoral, seja ele sonoro ou visual, em conteúdos carregados no YouTube. A mesma tecnologia está presente no YouTube Gaming e ela já parece ter retornado com falsos positivos (confirmações de direito autoral incorretas), como aponta o Kotaku.

E o que isso significa? Bem, caso o conteúdo de terceiros seja identificado em algum vídeo seu, ele pode ser removido ou impossibilitado de veicular propagandas. Além disso, as transmissões ao vivo podem ser simplesmente interrompidas. E isso já ocorre e pelas razões mais banais que você possa imaginar: um suposto stream foi interrompido porque os responsáveis cantaram “Parabéns Pra Você”:

O YouTube não deleta de imediato um vídeo em que conteúdo de terceiros foi encontrado: ele até permite que você se defenda, mas conforme explica o próprio site:

Antes da transmissão ao vivo ser encerrada ou substituída por uma imagem estática, você receberá um alerta solicitando a interrupção do uso de conteúdo de terceiros identificado por nossos sistemas. Se você obedecer à solicitação do alerta, sua transmissão poderá continuar. Caso contrário, ela será temporariamente substituída ou encerrada e você poderá perder o acesso a este recurso.

Se o Content ID encerrar três de suas transmissões ao vivo em um período de seis meses, você perderá acesso a transmissões ao vivo e ao Hangouts On Air por seis meses. Você pode verificar a quantidade de transmissões ao vivo bloqueadas pelo Content ID em seus Eventos ao vivo.

Além de impedir que um usuário faça transmissões ao vivo por seis meses, o YouTube pode também excluir por completo uma conta que continue e ser interrompida pelo Content ID. Você pode até pensar “Tudo bem, faço uma conta nova”, mas e quanto aos vloggers que já formaram uma base de seguidores gigantesca? Essa base se perderia com a exclusão de uma conta e muitos destes produtores de conteúdo vivem dessas transmissões. Então, dependendo do ponto de vista, o Content ID pode ser um pouco assustador.

O Twitch também tem a própria ferramenta para buscar por conteúdo de terceiros nos vídeos que são carregados nele, mas ele o faz depois que o streaming está encerrado, silenciando trechos com conteúdo proibido. Ruim para quem não pode ver o vídeo ao vivo, mas ainda assim melhor do que interromper a transmissão no meio. Mas parece que essa é uma briga entre redes e criadores de conteúdo que ainda ouviremos muito nos próximos meses.

A versão para navegadores do YouTube Gaming já está disponível para todos, mas apenas em inglês. Já os aplicativos para iOS e Android estão, no momento, liberados apenas nos EUA e Inglaterra.

O Playstation 4 e o Xbox One, que podem fazer streaming dos jogos por Twitch, também não receberam um app dedicado do YouTube Gaming, mas visto que a Sony e Microsoft permitiram upload de vídeos diretamente para o YouTube por um app dedicado, não deve demorar para a novidade aparecer nos consoles de nova geração. Você pode acessar o YouTube Gaming neste link.

O post YouTube Gaming pode gerar problemas de direitos autorais aos criadores de conteúdo apareceu primeiro em Gizmodo Brasil.